Os desafios e oportunidades da LGPD para sua empresa

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGDP) já está em vigor desde 18 de setembro de 2021 e a maior parte das empresas já está adequando seus contratos, procedimentos, cláusulas de privacidade e tecnologias. Já notou que cada vez que entramos em um site, mesmo aqueles que acessamos frequentemente, nos pedem autorizações?

 

A LGPD é uma lei que traz 65 artigos para tratamento de dados pessoais, tanto de clientes quanto de funcionários, em empresas privadas e públicas.  

 

Além de posicionar o titular dos dados como figura central, essa lei vem impactando e mudando a história de muitos setores e agora, mais do que nunca, as empresas procuram atuar de acordo essas diretrizes e, desse modo, evitar os imensos prejuízos financeiros e reputacionais para aqueles que não cumprirem as novas regras.

 

Vale ressaltar que a LGPD não se aplica apenas aos dados transmitidos pelo meio digital. Informações materializadas em papel também devem seguir a nova lei.

 

É fato que podem ocorrer custos imediatos na implementação das mudanças necessárias, no entanto, se as mesmas forem realizadas de maneira correta, os benefícios serão bastante interessantes.

 

Também é importante dizer que os desafios surgem na proporção das oportunidades já que a lei prevê multas bastante significativas nos casos em que houver violações à legislação.

 

Para algumas empresas serão necessários apenas pequenos ajustes e alterações. Outras, no entanto, precisarão passar por transformações mais profundas. O importante é ter em mente que essa mudança aconteça para todas as empresas o quanto antes.

 

Diante de tantas dúvidas nesse novo cenário, resolvemos escrever esse artigo e nele abordar, de forma objetiva e clara, quais são os desafios e as oportunidades da LGPD para a sua empresa. Confira!

 

Os desafios da LGPD

Um dos principais desafios da Lei de Proteção para as empresas é justamente se organizarem internamente. Para muitas organizações, a adequação à nova lei será uma verdadeira caminhada de autoconhecimento e descobrimentos.

 

No que afeta as empresas, serão necessárias modificações estruturais no quadro de funcionários, como definir um Diretor de Proteção de Dados (DPO) para coordenar as ações.

 

Em relação às medidas que devem ser tomadas pelas organizações estão as contratações de certos serviços, como os prestados por assessoria que monitore e mapeie dados. Além do mapeamento e monitoramento de dados, também é necessário o suporte de uma assessoria jurídica, que colabore com a criação e a adaptação dos contratos que agora, obrigatoriamente, devem conter cláusulas de proteção à privacidade.

 

Antes da LGPD, era comum as organizações coletarem a maior quantidade possível de informações pessoais, sem estabelecer qualquer critério e os motivos da necessidade dessa coleta. Dados como localização e agenda de contatos, entre outros, não tem qualquer serventia para determinadas prestações de serviços, por exemplo.

 

Esse excesso de informações desnecessárias, muitas vezes desatualizadas ou incorretas, além de não estar em conformidade com a legislação, aumenta os riscos de vazamentos e compromete todo o processo interno da empresa, já que a organização dos dados pode influenciar os resultados e impactar negativamente os negócios.

 

Em um primeiro momento, pode parecer uma missão quase impossível eliminar os dados excessivos ou que não possuem qualquer finalidade para o seu tipo de negócio.

 

No entanto, o resultado dessa limpeza pode ser muito animador porque as empresas que promovem essa revisão em seus bancos de dados podem melhorar expressivamente a experiência de seus clientes, tornando-as mais personalizadas.

 

Oportunidades da adequação à Lei

A LGPD não se resume apenas a penalidades.  Ela também pode ser uma grande oportunidade para estimular os negócios.  Nos últimos tempos, temos acompanhado a divulgação maciça em diferentes meios de comunicação sobre incidentes que envolvem a privacidade da população em geral, cada vez mais consciente dos direitos relativos à divulgação de suas informações pessoais.  Nesse sentido, os padrões de privacidade e proteção de dados tem se tornado um dos principais requisitos na hora de adquirir produtos ou serviços de uma empresa.

 

Quando a empresa cumpre todas as disposições legais contidas na LGPD, automaticamente estará tratando os dados de seus clientes de forma ética e transparente. Tal ação irá contribuir com a reputação do negócio, aumentar a competitividade no mercado e fidelizar o cliente.

 

Estar em compliance com a legislação também traz benefícios para a contratação entre empresas, visto que, com a questão de responsabilidade solidária e dos riscos reputacionais e legais relacionados ao tratamento indevido de dados, nenhuma empresa que já se adequou ou está caminhando para a LGPD irá contratar outra que não esteja em conformidade com as regras da nova lei.

 

Outro aspecto positivo da adequação à lei de proteção é a possibilidade de entrar no mercado internacional, algo que antes não era possível por conta da insegurança jurídica relacionada às regras e diretrizes brasileiras para o tratamento de dados.  

 

Conclusão

Em suma, a jornada de adequação à LGPD exige um esforço de todos os setores da empresa, independente de seu tamanho e segmento. As áreas devem se envolver desde o processo de mapeamento até a implementação das medidas para se adequarem à legislação.

 

O engajamento dos colaboradores da empresa pode proporcionar uma transformação tanto na forma de comunicação entre áreas quanto na melhoria nos procedimentos internos.

 

Esse é o momento das empresas se sobressaírem, destacando-se no mercado e demonstrar para seus clientes que realmente se preocupam em dar o tratamento correto para seus dados.